quarta-feira, junho 19, 2024
spot_img
InícioPara Você60+Sexo na terceira idade precisa deixar de ser tabu, alerta geriatra

Sexo na terceira idade precisa deixar de ser tabu, alerta geriatra

É preciso quebrar o tabu de que pais e avós não têm desejo sexual, libido e uma vida sexual ativa após os 60 anos. Há um potencial de se tornarem cada vez melhores os hábitos sexuais com o avançar da idade. É o que atesta a geriatra Isabela Cruz, do Grupo Hapvida NotreDame Intermédica. “Para a maioria das pessoas, a figura do idoso está atrelada a alguns estereótipos. É a pessoa que joga dominó, que faz crochê, que cuida dos netos. Não faz parte do inconsciente coletivo a ideia de que idoso transa”, afirma. A desinformação é a principal causa do aumento de casos de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) entre idosos.

Para ela, a sociedade atrela a sexualidade a características jovens, ou seja, com jovialidade, potência, virilidade, com o auge reprodutivo das pessoas, mas na verdade o idoso não só transa como exerce sua sexualidade. “Existe uma problemática muito grande da gente não abordar isso em consulta e nos meios de comunicação, porque isso traz uma barreira muito grande entre o idoso e o acesso a uma informação correta para uma sexualidade saudável”.

Isabela Cruz lembra que é preciso falar abertamente da vida sexual de idosos, conversar de uma forma mais aberta para que as pessoas mais velhas tenham acesso a informações importantes.

“Muitas vezes o casal passou a vida toda junto e um dos dois morre ou ocorre uma separação. O outro cônjuge vai retomar sua vida sexual e não tem ideia de noções de prevenção, não teve, ao longo da vida, acesso a informações sobre infecções sexualmente transmissíveis. Esse tipo de informação precisa chegar aos ouvidos desta população”, alerta a especialista.

É que nos últimos 10 anos houve um aumento de 103% de casos de HIV entre os idosos, além de um grande número de casos de outras infecções sexualmente transmissíveis, como a sífilis, por exemplo.

A libido na terceira idade também é um tabu que merece ser deixado de lado. A geriatra Isabela Cruz esclarece que, embora existam algumas alterações fisiológicas do envelhecimento da parte sexual que podem apresentar na mulher a demora na excitação e para chegar ao orgasmo; e no homem problemas relacionados a ereção e a ejaculação, a saúde sexual pode ser discutida e tratada com o auxílio de um médico.

Além disso, os hábitos sexuais podem se tornar cada vez melhores com a exploração da própria sexualidade. “Costumo dizer que o sexo não está relacionado apenas ao ato da penetração. O sexo começa no ‘bom dia’, no carinho, atenção e respeito que temos com o outro, na rotina dos trabalhos de casa, inclusive”.

Isabela Cruz atende muitos casais e afirma que além da penetração, os parceiros podem atingir o prazer de outras formas: sexo oral, estímulo de zonas erógenas, utilização de brinquedos eróticos, tornando a vida sexual na terceira idade até melhor do que foi durante a vida inteira.

Para a médica, os idosos não devem ter vergonha de falar com seu médico sobre seus problemas, queixas e vida sexual, pois trata-se de um problema de saúde. “Aliado a isso, é necessário que façam periodicamente sorologias para identificar possíveis infecções sexualmente transmissíveis e sempre, utilizar preservativo em suas relações sexuais.”, diz.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

Mais Lidos