Início Para Você 60+ Diagnóstico precoce pode evitar complicações de doenças reumáticas

Diagnóstico precoce pode evitar complicações de doenças reumáticas

0
166

Dor nas articulações, inchaço, vermelhidão, dificuldades em se movimentar e cansaço generalizado. Esses são apenas alguns dos sintomas de quem sofre com uma das mais de 100 doenças popularmente chamadas de “reumatismo”. Segundo o Ministério da Saúde, as doenças reumáticas atingem mais de 12 milhões de brasileiros no país e elas podem acometer tanto idosos quanto jovens e adultos.

No dia 30 de outubro, é celebrado o Dia Nacional da Luta Contra o Reumatismo. A conscientização sobre a doença e suas consequências é muito importante, pois torna mais fácil o diagnóstico precoce, fator decisivo para que o paciente tenha uma qualidade de vida melhor e mais longa. De acordo com a médica especialista do Hospital Lifecenter, Dra. Adriana Kakehasi, quando tratado adequadamente, o paciente pode viver sem dores e o risco de incapacidade física é minimizado.

Caso não sejam tratadas no período correto, contudo, as dores podem aumentar de intensidade e de abrangência, comprometendo outros órgãos e levando a complicações como deformidades articulares, doenças cardíacas e vasculares. “O tratamento é essencial para garantir que movimentos básicos do dia a dia sejam realizados sem dor, principalmente se a pessoa for socialmente ativa”, afirma a Dra. Kakehasi.

Ainda segundo a Dra. Kakehasi, ao queixar-se de dores nas articulações, todo paciente deve procurar um reumatologista. Buscar ajuda do especialista é essencial para evitar a evolução do quadro. “Muitas vezes os pacientes sentem dores e não procuram o médico. A doença pode progredir cada vez mais e comprometer as articulações e outros órgãos”, disse.

Tratamento pode incluir terapias integrativas

Assim como são múltiplas as doenças reumáticas, também são diversas as opções de tratamento para combater esse grupo de doenças. A indicação da melhor alternativa varia de paciente para paciente e deve ser feita, exclusivamente, pelo reumatologista. O acompanhamento médico é tão necessário quanto a adesão ao próprio tratamento.

De acordo com a Vice-Presidente da Sociedade Mineira de Reumatologia, Mariana Peixoto, o acompanhamento é essencial, inclusive, para quem sofre de doenças reumáticas autoimunes, uma vez que as consequências de não receber a assistência adequada podem ser ainda mais severas. “Além das possíveis sequelas que podem ser desencadeadas, principalmente, nos rins, na pele e no coração, portadores de doenças reumáticas autoimunes como lúpus, artrite reumatoide, síndrome de Sjögren e espondilite anquilosante são mais suscetíveis a doenças infecciosas”, disse.

Além da prescrição de medicamentos, o reumatologista pode recomendar ao paciente a adesão a terapias integrativas com foco na redução dos sintomas, principalmente as dores, e no aumento da qualidade de vida. De acordo com o Ministério da Saúde, estes recursos podem figurar como tratamento complementar à medicina tradicional para uma série de agravos.

A acupuntura, por exemplo, é uma das práticas integrativas mais comuns e que pode ser encontrada, inclusive, na rede de atendimento do Sistema Único de Saúde, o SUS. A oferta desse e de outros tratamentos pode variar, uma vez que os estados e municípios têm autonomia, de acordo com as necessidades e demandas da população local, para escolher quais práticas integrativas vão ofertar.

Pessoas com doenças reumáticas autoimunes podem precisar, ainda, de uma atenção extra ao calendário de vacinação. De acordo com a vice-presidente da Sociedade Mineira de Reumatologia, Mariana Peixoto, devido à vulnerabilidade do sistema de defesa das pessoas diagnosticadas com doenças reumáticas autoimunes, a prevenção por meio da vacina, especialmente das doenças infecciosas, torna-se fundamental para garantir a longevidade desses pacientes.

“É crucial que todos sejam conscientizados sobre a importância de manter em dia o calendário vacinal e que todas as pessoas que sofrem com doenças reumáticas autoimunes tenham acesso ao tratamento por meio do SUS. A vacinação é uma das formas mais eficazes de prevenção de doenças infecciosas e, consequentemente, como medida para a redução da mortalidade desses pacientes”, reforça.

Outro importante avanço é o uso de imunossupressores para o tratamento de algumas doenças reumáticas, como a artrite psoriásica. Esse tipo de medicamento biológico é muitas vezes usado em terapias contra o câncer, para diminuir o processo inflamatório. E, para as doenças reumáticas, são indicadas dosagens menores que evitam efeitos colaterais comuns da quimioterapia.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui