sexta-feira, maio 24, 2024
spot_img
InícioNotíciaPode misturar bebidas alcoólicas com remédios? Confira os riscos!

Pode misturar bebidas alcoólicas com remédios? Confira os riscos!

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo médio anual de álcool por pessoa é de 6,4 litros. O Brasil apresenta um número acima da média internacional, com consumo de 8 litros por pessoa a cada ano. O período carnavalesco colabora para elevar essa média etílica, entretanto, pouco se fala sobre a interação das bebidas alcoólicas com variados tipos de remédio.

Quando uma pessoa bebe, ela metaboliza o etanol utilizando enzimas que o fígado produz. Essas mesmas enzimas também servem para metabolizar algumas drogas. Isso significa que, se álcool e remédio surgem juntos no meio da história, o organismo fica sobrecarregado, e o efeito do medicamento é reduzido ou até anulado, além de debilitar o fígado.

Muitos medicamentos também são eliminados pela urina. O álcool e o excesso de líquidos, dois elementos coringas de uma cervejada, por exemplo, têm efeito diurético e, portanto, podem acelerar a excreção dessas substâncias.

Durante o feriado de carnaval, milhares de foliões pelo país fazem uso de bebida alcoólica. Se uma pessoa está tomando algum tipo de remédio, é importante ficar atenta. A ingestão de álcool em excesso, combinada com alguns medicamentos, pode colocar a saúde em risco.

Confira abaixo as principais interações entre medicamentos e a bebida:

  • Álcool + paracetamol

Maior risco de hepatite medicamentosa, grave inflamação no fígado.

  • Álcool + dipirona

O efeito do álcool pode ser potencializado.

  • Álcool + ácido acetilsalicílico

Eleva o risco de sangramentos no estômago. O acetilsalicílico irrita a mucosa estomacal. O que seria um leve transtorno, pode ser potencializado pelo álcool.

  • Álcool + antibióticos

É possível que leve a vômitos, palpitação, cefaleia, hipotensão, dificuldade respiratória e até morte.

  • Álcool + anti-inflamatórios

Aumenta o risco de úlcera gástrica e sangramentos.

  • Álcool e antidepressivos

Aumenta as reações adversas e o efeito sedativo, além de diminuir a eficácia dos antidepressivos.

  • Álcool + calmantes (ansiolíticos)

Aumenta o efeito sedativo, o risco de coma e insuficiência respiratória.

  • Álcool + inibidores de apetite

Pode aumentar o potencial de efeitos sobre o sistema nervoso central, como tontura, vertigem, fraqueza, síncope e confusão.

  • Álcool e insulina

Pode gerar hipoglicemia, pois o álcool inibe a disponibilidade de glicose realizada pelo organismo. A alimentação deve ser bem observada, pois com o álcool, a única disponibilidade de glicose vem das refeições. Vale ressaltar que também pode causar efeito antabuse. Uso agudo de etanol prolonga os efeitos enquanto que o uso crônico inibe os antidiabéticos.

  • Álcool e anticonvulsivantes

Aumenta os efeitos colaterais e o risco de intoxicação, enquanto que diminui a eficácia contra as crises de epilepsia.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

Mais Lidos