quinta-feira, junho 20, 2024
spot_img
InícioNotíciaDez fatores que podem afetar a saúde dos ossos

Dez fatores que podem afetar a saúde dos ossos

 

Os ossos são muito importantes para a vida humana: eles dão sustentação, protegem órgãos internos, ancoram os músculos e armazenam cálcio. O nosso esqueleto está em constante transformação, ossos antigos sendo desfeitos e novos sendo modelados.

 

Como qualquer órgão do corpo, é preciso ter maior atenção com o passar do tempo. “O pico de massa óssea ocorre por volta dos trinta anos, e essa massa acumulada funciona como uma ‘reserva’. Depois disso, há uma tendência em perdermos massa óssea gradativamente”, afirma a médica patologista clínica e diretora técnica do Laboratório Lustosa, Luisane Vieira.

 

Mas além da idade, existem outros fatores, comportamentais ou hereditários, que podem acelerar a perda óssea. Abaixo listamos os mais importantes, e se você se enquadra em algum desses itens, deve ficar atento e tomar cuidados para não ter problemas na terceira idade.


Fatores que afetam a saúde óssea

    1. 1 – Pouco cálcio na dieta – Procure incluir no dia a dia alimentos ricos em cálcio: laticínios, amêndoas, brócolis, couve, salmão, sardinhas, soja e tofu. A suplementação pode ser indicada em alguns casos.

2 – Sedentarismo – Sem exercícios, os ossos perdem minerais e não absorvem o cálcio da alimentação. Não há necessidade de fazer atividades de alto rendimento. Uma caminhada, uma corrida leve ou simplesmente subir alguns lances de escadas, desde que constantemente, já contribuem para o fortalecimento.

3 – Uso de álcool e tabaco – O álcool reduz a absorção do cálcio, prejudicando os ossos. Já o as toxinas presentes no cigarro inibem a produção do osteoblasto, célula produtora da matriz da massa óssea.

4 – Sexo feminino – Pesquisas apontam que as mulheres são mais atingidas pela osteoporose que os homens, devido à redução da produção de estrogênio após a menopausa. Uma das funções desse hormônio feminino é fixar o cálcio nos ossos.

5 – Magreza (IMC < 19) e físico franzino – Quanto menor a massa muscular, pior a qualidade dos ossos. Da mesma forma, quanto mais fortes são os músculos, mais fortes e mais protegidos são os ossos.

6 – História familiar – Estima-se que os genes determinam cerca de 60% da massa óssea de adultos, o que ressalta a grande influência da questão genética nesse contexto. Portanto, quem tem casos de osteoporose na família deve reforçar os hábitos descritos acima e intensificar as visitas ao médico para exames preventivos.

7 – Etnias branca ou asiática – As mulheres negras, por características próprias, nascem com cerca de 30% mais massa óssea que as brancas. As asiáticas possuem ossos menores que a média mundial, fazendo com que a perda óssea seja proporcionalmente maior.

8 – Hormônio tireoidiano em excesso e testosterona baixa em homens – Sabe-se que os hormônios da tireóide influenciam na remodelação óssea, mas não há ainda estudos suficientes que mostram detalhadamente esses impactos. A testosterona, nos homens, também auxilia na recuperação óssea. Alterações nos níveis desses hormônios são sinais de alerta.

9 – Desnutrição e distúrbios alimentares – Esses problemas fazem com que o corpo não tenha disponíveis minerais necessários para a recomposição óssea.

10 – Medicamentos (especialmente corticóides) – Alguns corticóides são fundamentais no tratamento de inflamações, mas eles também podem reduzir a densidade óssea, aumentando o risco de fraturas. Combinados com outros fatores de risco, podem causar osteoporose. Se o uso for indispensável, pode ser necessária a complementação de cálcio e vitamina D na alimentação.

Segundo Luisane Vieira, a densidade óssea pode ser avaliada por meio do exame de imagem específico, a Densitometria Óssea. Outros estudos podem complementar os diagnósticos incluindo hemograma com velocidade de hemosedimentação (VHS), cálcio sérico, fósforo, creatinina, eletroforese de proteínas séricas, fosfatase alcalina total ou fração óssea, transaminases e calciúria de 24 horas. A testosterona deve ser dosada em todos os homens com osteoporose.

 

Os testes de função tiroideana só devem ser pedidos quando há suspeita clínica de hipertiroidismo ou o paciente estiver recebendo medicação hormonal tiroidiana. O laboratório também pode contribuir para a monitorização do tratamento por meio de exames marcadores da reabsorção óssea (interligadores do colágeno), uma vez que poderiam indicar uma boa resposta antes dos exames de imagem.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

Mais Lidos