terça-feira, março 5, 2024
spot_img
InícioEspecialidadesInfectologiaTuberculose ainda mata milhares de pessoas por ano no Brasil

Tuberculose ainda mata milhares de pessoas por ano no Brasil

Apesar de ser uma das enfermidades mais antigas do mundo, a tuberculose, doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis (Bacilo de Koch), continua provocando a morte de 4,5 mil pessoas, no Brasil, por ano. Neste Dia Mundial de Combate à Tuberculose, 24 de março, as estatísticas mostram que a doença se mantém como um grave problema de Saúde Pública.  

No país, são notificados, anualmente, cerca de 70 mil casos, conforme o Ministério da Saúde. No mundo, a cada ano, cerca de 10 milhões de pessoas adoecem por tuberculose. A doença, que afeta prioritariamente os pulmões, pode atingir também os rins, ossos e meninges, sendo responsável por mais de um milhão de óbitos anuais.  

Para o Assessor em Microbiologia do Laboratório Lustosa, Hyllo Baeta, esses números poderiam ser minimizados se o diagnóstico fosse feito precocemente e as pessoas encaminhadas para o tratamento adequado. Ele destaca que há um atraso no diagnóstico, que pode ser feito por meio de exames laboratoriais como a Baciloscopia, cultura e teste molecular. 

“É fundamental que as pessoas não ignorem os sintomas: tosse por três semanas ou mais, dor ao tossir, febre vespertina, sudorese noturna, falta de ar, emagrecimento, entre outros. Eles podem parecer comuns, mas podem se agravar e evoluir para óbito. Diante desses sintomas, sobretudo a tosse persistente, recomenda-se que as pessoas procurem o médico e sejam investigadas para tuberculose”, orienta.

Segundo o especialista, no enfrentamento à doença, ainda é necessário intensificar as ações preventivas e de conscientização, já que muitos desconhecem a gravidade da tuberculose ou  acreditam, erroneamente, que ela está  erradicada. 

Hyllo alerta que a doença é contagiosa. “A transmissão da tuberculose acontece por via respiratória, pela eliminação de aerossóis produzidos pela tosse, fala ou espirro de uma pessoa com tuberculose ativa (pulmonar ou laríngea), sem tratamento; e a inalação de aerossóis por um indivíduo suscetível. Calcula-se que, durante um ano, em uma comunidade, uma pessoa com tuberculose pulmonar e/ou laríngea ativa, sem tratamento, e que esteja eliminando aerossóis com bacilos, possa infectar, em média, de 10 a 15 pessoas”, explica. 

Ele ressalta, entretanto, que a tuberculose não se transmite por objetos compartilhados. “Bacilos que se depositam em roupas, lençóis, copos e talheres dificilmente se dispersam em aerossóis e, por isso, não têm papel importante na transmissão da doença”, complementa, esclarecendo ainda que, com o início do tratamento, “a transmissão tende a diminuir gradativamente, e em geral, após 15 dias, o risco de transmissão da doença é bastante reduzido”.

Hyllo Baeta destaca ainda que o bacilo da tuberculose é sensível à luz solar e a circulação de ar possibilita a dispersão das partículas infectantes. “Por essa razão, ambientes ventilados e com luz natural direta diminuem o risco de transmissão. A etiqueta da tosse, que consiste em cobrir a boca com o antebraço ou lenço ao tossir, também é uma medida importante a ser considerada”, esclarece.

Vale ressaltar, ainda, que a tuberculose tem cura. “Mas isso ocorre quando o tratamento, que dura, no mínimo seis meses, é feito de forma adequada. Esse tratamento é gratuito e está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS)”, orienta o microbiologista do Lustosa.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

Mais Lidos