quarta-feira, junho 19, 2024
spot_img
InícioEspecialidadesInfectologiaPBH processa proprietários de lotes com foco de proliferação de Aedes aegypti

PBH processa proprietários de lotes com foco de proliferação de Aedes aegypti

Proprietários de imóveis que descumprirem determinação da Prefeitura de Belo Horizonte para colocar fim a focos de dengue serão acionados judicialmente. A medida será adotada pela Procuradoria Geral do Município a partir de vistorias realizadas pela Fiscalização Municipal e Vigilância Sanitária e quando for constatado o descaso com a conservação da propriedade para evitar proliferação do Aedes aegypti – vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya.

Nesta terça-feira (23) a PGM ajuizou a primeira Ação Civil Pública envolvendo os proprietários de um lote abandonado cuja construção foi demolida e os entulhos serviam de foco para a proliferação do mosquito. O lote era objeto de intensa vigilância pela Fiscalização Municipal, que já havia lavrado quatro autos de notificação e dois autos de infração em razão das irregularidades constatadas. Com o não atendimento das determinações da Fiscalização Municipal, o caso foi encaminhado à Procuradoria-Geral do Município para as providências judiciais.

Além de requerer a intervenção do Poder Judiciário para obrigar os proprietários a adotarem todas as medidas para colocar fim aos focos de dengue, a Procuradoria-Geral do Município ainda pediu a condenação em danos morais coletivos estimados em R$ 100 mil. Os valores serão usados em medidas de combate à dengue em Belo Horizonte.

Dengue

Somente neste ano foram contabilizados 4.957 casos confirmados de dengue em Belo Horizonte – dos quais três óbitos – e 14.528 pendentes de resultados de exames. Foram identificados ainda 2.391 casos de chikungunya e outros 1.377 ainda estão sendo investigados.

Entre as medidas adotadas pela PBH para o combate ao mosquito vetor da doença, estão mais de 4 milhões de visitas a imóveis da capital. Os agentes de Combate a Endemias verificam os focos do mosquito, aplicam biolarvicidas nos recipientes e repassam aos moradores orientações para eliminar objetos que possam acumular água.

A Secretaria Municipal de Saúde também mantém cerca de 1.800 ovitrampas, um timpo de armadilha que monitora a densidade de ovos de Aedes aegypti em toda a cidade, permitindo identificar os locais com maiores infestações, para a intensificação oportuna das ações de prevenção e controle, inclusive com uso de drones em locais de difícil acesso, das ações intersetoriais como os mutirões de limpeza, ações educativas, etc.

Além de tudo isso, Belo Horizonte é pioneira na produção e na liberação dos mosquitos que carregam a bactéria Wolbachia, reduzindo, assim, a capacidade de transmissão dos vírus para as pessoas e diminuindo o risco de surtos de dengue, zika, chikungunya.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

Mais Lidos